Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

docarlos

docarlos

14.10.19

RECONHECIMENTO


docarlos.blogs.sapo.pt

DURAS VERDADES

De nada valem meias palavras, ou censura aos militantes por trazerem às redes sociais os problemas internos do Partido (PCP); estas são tão fortes, têm tamanha influência na opinião pública, que algo que a alguns anos, definia a estratégia e táctica, é hoje observado a olho nu, compreendido e fonte de observações relevantes por muita gente, militantes, amigos e inimigos.
Não é a perda de mandatos directa, que, embora consequência, também se deve à organização política do país, dividido em círculos que não correspondem às realidades sociais, mas sim a perda de votos generalizada, que corresponde à perda de influência nos meios proletários modernos, muito longe da classe operária e campesinato dos anos 70s e 80s. Salta à vista que a CDU, como frente ampla que abraçasse diversas camadas, ID, e aliança com um Partido ecologista (Verdes), está desactualizada e, se transformasse num partido, onde o PCP se diluiu quase por completo, impedindo assim os seus militantes de se entregarem ao estudo e prática do marxismo.
Contrariamente ao que muitos escrevem (muitos à Esquerda), não se trata de reformismo e, muito menos revisionismo, mas de afrouxamento da teoria marxista, acabando por toda a gente, pensar e agir conforme o fazem os partidos do sistema. Ora isto, abre as portas à social democracia, sendo um perigo por acabar, por aniquilar o melhor partido comunista da Europa. O Partido, têm de ser o Partido, entre eleições, e somente nestas, apoiar uma frente que abarque o proletariado em geral, sem alianças eternas de direcções.
Apoiei a "giringonça", por ser muito necessária depois dos anos da troica, mas agora, seria um desastre completo, a não ser que houvessem acordos absolutos que impusessem limites à actividade governativa do PS. Agora, chegou a altura da CDU desaparecer, dando lugar ao PCP mais aqueles que, pela sua actividade o Partido, possa apoiar, sejam os Verdes, o Livre, a ID, ou o BE, mas nunca descorando a penetração nas camadas que apoiam estes partidos e organizações.
Vamos à luta!
Marxismo em marcha!