Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

docarlos

docarlos

09.02.16

MAIS UMA PARA NOS ENTRETER


docarlos.blogs.sapo.pt

                           Eutanásia, o que é, e para que serve.

                          Surgiu no mercado burguês mais um tema que querem parecer polémico, a Eutanásia ou morte assistida, com direito a decisão referendária e tudo. Incrível, o que a decadente burguesia inventa para entreter o pagode. Querendo colocar a eutanásia ao nível do aborto, a burguesia provoca uma discussão completamente inútil.

                          A Eutanásia não é crime, pelo menos do ponto de vista social, embora a lei sobre homicídio, necessite de um qualquer acrescento, para que uma morte provocada a pedido do paciente, não seja inculpada a terceiros intervenientes na mesma. Se querem falar de crime, então que falem no desligamento das máquinas suporte de vida, aquando está em fase terminal e em coma profundo impossível de recuperação. Aí, o doente não tem qualquer interferência, ficando a morte à total responsabilidade de médicos e familiares, exactamente o que sucede na IVG, cuja moral depende do ponto de vista de cada um, especialmente da mulher em causa.

                          NÃO ao referendo.
                          SIM a uma lei da AR, para despenalizar a Eutanásia, deixando a mesma ao desejo do doente, incluindo um testamento sobre o assunto.
                          SIM a uma série de leis que regulamentem e imponham cuidados paliativos, que dêem o máximo de conforto ao doente, afim de o fazer desistir ou não pensar na morte como cura?! para si, algo que nunca resultou na questão do aborto, onde este tem servido na maioria dos casos, como método contraceptivo do pós acto sexual.

                          Portanto, tudo o que nos quiserem impingir, quer da Direita tradicional quer do PS ou apêndices, não passa de mais tretas para nos entreterem enquanto nos continuam a roubar. O SNS, tem condições ou pode tê-las, bastando para isso, que os milhões que vão para bancos, concessionários, assessores, actuações militares em terras de outros, etc., lá sejam aplicados.